Minas Consciente - Macro Oeste tem piora nos índices

Por Publicado em:18/06/2021 | Atualizado em:18/06/2021 20

Estado adota análise mais minuciosa dos indicadores para identificar as tendências de piora na transmissão da doença e na ocupação de leitos

Fui publicada na tarde desta quinta-feira, 17, nova avaliação do Comitê Extraordinário Covid-19 do Estado a respeito da situação da pandemia no estado. As principais mudanças são que a macrorregião Triângulo do Norte deve regredir para a onda vermelha do Minas Consciente, pois teve piora dos indicadores, enquanto a macrorregião Sudeste apresentou melhora e poderá avançar para a onda amarela, se juntando à macrorregião do Vale do Aço.
As duas são as únicas na onda amarela, as demais continuam na vermelha, incluindo a macro Oeste, onde Itatiaiuçu está incluída. A Oeste é uma das cinco macros (junto com Sul, Centro-Sul, Leste do Sul e Nordeste) que estão na onda vermelha e que apresentam dados mais preocupantes e, por isso, estão enquadradas nos critérios de classificação pelos cenários epidemiológico e assistencial.
Assim estas passam por análise ainda mais minuciosa dos indicadores Incidência e Espera por Atendimento, para identificar as tendências de piora na transmissão da doença e na ocupação de leitos e possíveis filas.

Ações

Para reforçar o enfrentamento à pandemia nessas localidades com situação mais crítica, ações específicas têm sido desenvolvidas pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais - SESMG. Entre elas: transferência de pacientes, diagnóstico para ampliação de leitos, monitoramento de casos e envio de forças-tarefas para os municípios.
mesmo assim, o secretário de Saúde, Fábio Baccheretti, destacou a queda na positividade dos exames para Covid-19 em relação aos meses de março e abril deste ano. Também foi observada redução na solicitação de transferências por leitos de UTI. Apesar de os dados monitorados pela Sala de Situação apontarem que a incidência da doença no estado continua alta, os óbitos e a espera por leitos não acompanham a mesma tendência, o que, segundo Baccheretti, é um bom sinal. Hoje, 131 pacientes aguardam na fila por um leito de UTI para tratamento de Covid.
Com 12 das 14 macrorregiões de saúde na onda vermelha, na média estadual, a taxa de incidência cresceu 13% nos últimos 14 dias.

Última modificação em Sexta, 18 Junho 2021 17:37

Compartilhe esta notícia