Inflação - Mais 20% na Bandeira Vermelha da conta de luz

Por Publicado em:18/06/2021 | Atualizado em:18/06/2021 43

Gás de cozinha tem o quinto aumento no ano. Reajuste é de mais 6%

Os índices oficiais não representam a realidade do consumidor no dia a dia, quando é preciso adquirir bens de consumo. Os preços dos produtos essenciais para a sobrevivência do ser humano têm subido semanalmente nas gôndolas dos supermercados, nas bancas de mercados e também no orçamento do brasileiro, como nos casos do gás de cozinha e energia elétrica, que são os aumentos mais recentes anunciados. No primeiro caso, nesta semana foi anunciado o quinto reajuste neste ano, com o preço do botijão subindo em média mais 6%. Já a conta de luz terá reajuste na bandeira vermelha na ordem de 20%, conforme anunciou a ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica, no início da semana.
Como explicou o diretor da ANEEL, André Pepitone, o aumento nos valores cobrados pelo sistema de bandeira tarifária vai ser de no mínimo 20%. Atualmente a Bandeira Vermelha, no patamar 2, aumenta em R$ 6,24 a cada 100 kilowatt-hora (kWh) consumidos. Esse valor deve passar para um mínimo de R$ 7,48, conforme a fala do diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica. Além do aumento, também existe a ameaça de racionamento de energia e a culpa do problema, mais uma vez, é “da natureza”, com a escassez de chuvas.
Como não se planeja o consumo e a geração e distribuição de energia no Brasil há algumas décadas, os “organizadores” do sistema ficam na dependência do volume de chuvas. O Brasil é rico em vento, sol, mas os deputados acabaram de aprovar legislação que torna mais difícil explorar esses recursos. Enquanto isso o bolso do consumidor vai suportando a falta de ações efetivas por parte dos governos.

Gás de cozinha mais caro em 6%

Em janeiro deste ano foi concedido reajuste no preço do gás de cozinha, pela Petrobrás, de 6%. Em fevereiro, novo aumento, desta feita na ordem de 5,1%. Em março veio o menor reajuste até então, que foi de R$ 0,15 por quilo do produto, o que encareceu o botijão de 13 quilos em quase R$ 2 para os distribuidores. Em abril foi concedida mais um alta, de 5%, e na última segunda-feira, 14, novo aumento para o produto foi autorizado, na ordem de 5,9%.
No acumulado do ano, o reajuste no preço do gás de cozinha já ultrapassou a ordem de 23%. E a previsão é de que esses reajustes continuem no segundo semestre de 2021. Assim como a gasolina, que já ultrapassou a barreira dos R$ 6. O etanol segue os mesmos passos, assim como o óleo diesel, apesar das promessas em contrário, feitas pelo presidente aos caminhoneiros e, parece, já esquecidas.

Última modificação em Sexta, 18 Junho 2021 16:23

Compartilhe esta notícia