O respeito nos locais públicos e às pessoas

Por Publicado em:25/02/2022 | Atualizado em:25/02/2022 108

Chegaram informações à redação, e com detalhes, inclusive das falas e gestos, do ocorrido nesta semana, na terça-feira, 22, na Câmara Municipal de Itatiaiuçu. Os relatos indicam verdadeiro espetáculo de mau gosto protagonizado pela vereadora Adriana Camargos, vice-presidente da Casa de Leis. O pano de fundo para o “espetáculo dantesco” foi matéria da FOLHA veiculada na edição passada, no sábado, 19, em que os protagonistas são Adriana e o vereador Zito, e envolve indicações ao Executivo feitas pela vereadora. Conforme a fala do vereador Zito, as indicações da colega já haviam sido feitas por ele e tratam de construção de mais duas salas de aula e mais um local para reuniões na Escola Estadual Manoel Dias Correa. Indicações controversas e feitas de forma errada, pois a Escola é Estadual e as solicitações deveriam ser feitas diretamente ao governo estadual.
Quanto à nossa matéria, com o título “ZITO ACUSA ADRIANA DE ‘ROUBO’ DE INDICAÇÕES’’, podemos afirmar categoricamente que ela faz um relato fiel das falas dos vereadores na reunião do dia 16. Adriana não gostou e achou que o vereador Henrique Samuel foi o responsável por ter nos repassado as informações. Ou seja, achou que ele foi quem colocou “lenha na fogueira”. Errou, tínhamos a gravação da reunião.
O fato é que a vereadora, no início da reunião de serviço na terça-feira, com funcionárias da prefeitura, questionou o vereador Zito sobre a matéria e partiu para cima dos colegas presentes, generalizando a situação, e, aos gritos, esbravejou, falou palavras de baixo calão e literalmente perdeu as estribeiras com os presentes. Segundo as informações, uma cena lamentável para uma representante do povo, que deveria ter, no mínimo, postura dentro de um prédio público.
Aliás, as reações da vereadora e vice-presidente do Legislativo Municipal são passíveis de punição até com suspensão, pois em prédio público deve haver respeito não só aos símbolos nacionais, estaduais e municipais, mas ao local e a todos que estão dentro dele. Na maioria dos prédios públicos no Brasil, por exemplo, é proibido entrar de chinelos, bermuda, short etc. O fato é que a vereadora, totalmente descontrolada, gritou e direcionou palavras de baixo calão como Filho da, Tomar no... aos colegas presentes sem nenhuma parcimônia.
Em nossa opinião, um absurdo que deveria ser repreendido, no mínimo, com uma nota de repúdio, porque o certo seria uma suspensão, com votação aberta em plenário. O engraçado é que, com o descontrole emocional da vereadora, acabou sobrando para o jornal, pois Adriana nos acusou de receber sem precisar ir às reuniões. Não entendemos, ou melhor, entendemos e muito bem, mas... A verdade é que a vereadora acha que, pelo fato de publicarmos anúncio institucional do Poder Público, temos a obrigação de acompanhar as reuniões plenárias. Bom, é direito dela achar isso, mas hoje, com a modernidade das redes sociais, em nosso entendimento, as reuniões já deveriam estar sendo transmitidas ao vivo via Youtube, e, se são gravadas, temos, como órgão de imprensa, o direito de ter acesso a essas gravações. Aliás, nós da imprensa e todo cidadão itatiaiuçuense. As reuniões são públicas e tudo o que acontece nelas é direito de qualquer cidadão saber, sendo ele de Itatiaiuçu ou não.
O fato é que o homem público, detentor de mandato, tem que pensar em suas ações, na sua postura perante o cargo e à comunidade, e principalmente demonstrar clareza nas ações políticas no dia a dia, respeitando os colegas, seja em plenário ou fora dele. A vereadora Adriana é uma ótima pessoa, uma política esforçada e preocupada com as ações em prol da população, isso é inegável. Mas precisa aprender a controlar o lado emocional, pois a política é dinâmica e, por bobagem, ela pode jogar todo o seu trabalho de anos por terra. O ocorrido nas dependências da Câmara Municipal nesta semana não pode se repetir, pois, além de ser um ato antidemocrático, demonstra uma postura desequilibrada de uma representante do povo.
O jogo político é maquiavélico, isso é incontestável, então, para estar nele, é preciso, antes de tudo, ter equilíbrio emocional e ética (acredite se quiser), pois ética e respeito aos colegas são fundamentais no exercício do poder, e, mesmo que eles estejam em lados opostos e pensem diferente, merecem respeito. Aliás, postura, respeito, sinceridade e transparência ao agir são fundamentais na política e na vida. Uma questão de formação humanística.

Renilton Gonçalves Pacheco
Jornalista/Diretor-Editor da FOLHA DO POVO

Avalie este item
(0 votos)
Última modificação em Sexta, 25 Fevereiro 2022 17:46

Compartilhe esta notícia