EMPREGOS NO BRASIL - 6,55% das vagas criadas em 12 meses são para faxineiros

Por Publicado em:29/07/2022 | Atualizado em:29/07/2022 14
EMPREGOS NO BRASIL - 6,55% das vagas  criadas em 12 meses são para faxineiros Caged

A imprensa nacional deu destaque ao número de vagas de emprego criadas no Brasil nos últimos 12 meses, até maio de 2022. Segundo as informações, extraídas do CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério do Trabalho e Previdência, neste período foram criadas 2,66 milhões de vagas, retomando a performance de antes da pandemia no País. Deste total de vagas criadas, 6,55%, ou seja, 163 mil novos empregos, foram para a profissão de faxineiro, que teve aumento no quantitativo de vagas de 10% em relação a fevereiro de 2020.

Além da profissão de faxineiro, outras campeãs de criação de novas vagas foram as profissões de vendedor e de servente de obras. Isso ajudou a criar os dados do crescimento dos setores de “serviços” (faxineiro e vendedor) e da “construção civil” (servente de obras). Somadas essas três profissões, representam 14,85% das novas vagas criadas. Outras 2.605 profissões dividiram 85,15% das demais vagas. As 10 profissões que mais empregaram no Brasil nos últimos 12 meses, conforme os dados do Caged, foram: Faxineiro, 163.459; Assistente administrativo, 122.511; Vendedor de comércio varejista, 119.681; Alimentador de linha de produção, 117.033; Auxiliar de escritório, 113.387; Servente de obras, 103.029; Atendente de lojas e mercados, 83.093; Auxiliar nos serviços de alimentação, 77.440; Atendente de lanchonete, 63.247; e Motorista de caminhão, 55.493.

Salário médio tem queda de 8,7%

Das 2,66 milhões de vagas criadas em 12 meses, 1.018.373 estão com essas dez profissões que exigem baixa escolarização. O resultado deste maior volume de vagas criadas para profissões com baixa escolarização é que no período, o salário médio do brasileiro sofreu queda de quase 9% em relação ao salário médio dos brasileiros em 2021. Se naquele ano o salário médio era de R$ 2.789, no primeiro trimestre deste ano caiu para R$ 2.548, com redução de 8,7%.

Porém o poder aquisitivo do trabalhador brasileiro sofreu ainda mais em 2022, se calculada a inflação no período que é de 11.89%. Se o poder aquisitivo caiu 11,89% em 12 meses e o ganho médio mais 8,7%, o trabalhador brasileiro sente no bolso na hora de pagar as suas contas, isso quando consegue emprego e salário para tanto.

Última modificação em Sexta, 29 Julho 2022 17:53

Compartilhe esta notícia